segunda-feira, 22 de janeiro de 2007

Caminhada 03 - Serra d'Aire e Candeeiros

O trilho desta semana ficou marcado pelo fim de vida inglório da minha máquina fotográfica. Já se tinha queixado aqui e ali (a idade não perdoa), mas este Domingo, nem uma foto quis registar! Restaram o telemóvel e os olhos, que se deleitaram com a beleza árida do Maciço Estremenho da Serra d'Aire e Candeeiros.
Foram cerca de 30Km de carro, desde Leiria até Alcaria. Desta feita, a nossa caminhada foi a dois. A alvorada (às 8h30), no dia pós-casamento, foi difícil, mas a manhã, mais uma vez, estava inspiradora e límpida. Esta Serra é curiosa, não é muito alta, os acidentes de terreno são suaves, mas a imensidão perante a vista dão-lhe uma imponência e beleza únicas!
Saímos então de Alcaria em direcção à Fórnea, que é um estranho fenómeno geológico que dá a ilusão de ser um anfiteatro natural. Assemelha-se a um enorme abatimento da crosta terrestre começando em Chão das Pias e descendo até Alcaria. As erosões provocadas pelas chuvas e pelas águas nascentes criaram um cenário natural impressionante. O trilho está bem marcado, com a sinalização internacional e eu escolhi-o por ser um dos percursos do livro ali nas redondezas de Leiria. Eu, sem me aperceber, decidi fazê-lo ao contrário. Cruzamo-nos logo de início com um rebanho de cabras/cabritas/ovelhas, onde 2 delas, nos queriam comer os atacadores das botas e uns donos muito simpáticos. A pedragrega estava cheia de sono e o ritmo inicial foi lento mas, por isso, descontraído. A paisagem é fantástica e queremos cá voltar! Depois de vencidos os 300m de desnível, chegamos à parte de trás do Cabeço da Fórnea, na encosta de Chão das Pias. Este planalto é inesperado, com imensos muros alinhadíssimos de pedra calcária a delimitar terrenos e área de pasto. Curiosidade, vimos um rebalho de cabras com 2 patas amarradas por uma corda de comprimento inelástico igual à distância entre as 2, a da frente e a de trás - assim conseguem pastar, mas nunca vão conseguir saltar o metro e meio de altura dos muros, pura inovação pastorícia. Pela carta militar estamos mesmo mesmo a enxergar o anfiteatro da Fórnea. Sustem-se a respiração, avança-se com a curiosidade provocada pelo vazio do que ali estará e... uau! Que espectáculo. Anfiteatro autêntico. Paramos para comer o bolo da Barosa, oferecido pela noiva, e fruir a paisagem. Está um vento frio aqui nos 500m de altitude e ainda bem que trouxemos os gorros. 20 min depois, tentamos então descobrir o caminho até lá ao fundo. Não foi fácil, ainda tivemos que andar uns bons 40min a corta-mato. Apanhamos uma ladeira de seixos e rapidamente chegamos ao centro do anfiteatro que daqui de baixo ainda mais imponência dá às redondezas. Cá de baixo parece impossível subir. Passados 30min estamos novamente em Alcaria.
Distância: 9 Km
Duração: 3h
Subida acumulada: 340m
"Caminhada 03" half done

Próxima caminhada: "Caminhada 04 - Serra da Peneda, Gerês", 27.Jan 2007 (Sáb.). Quem vem connosco?
Enviar um comentário