segunda-feira, 5 de novembro de 2007

«Volunturismo»

EXPRESSO Fotomontagem

Há uns meses atrás, quando vividamente descrevíamos a nossa viagem por África e todo o seu planeamento, não deixamos nunca de incluir uns dias de entrega no programa, de serviço voluntário para com o país que nos ia acolher, de contacto próximo com as populações e mais distante dos habituais circuitos comerciais. Fizemos porque sentíamos vontade disso, mas também porque queríamos enriquecer ainda mais a nossa experiência com a ajuda ao próximo. Era o nosso programa, pessoal e personalizado. Hoje, já não seria tão original. Um novo conceito surge e está a florescer nos circuitos habituais do turismo mundial. Este novo conceito chama-se Volunturismo! Descrubri-o surpreendentemente, este fim-de-semana, num artigo do Expresso que aqui transcrevo:

"O termo surgiu nos últimos anos entre agentes do turismo. Embora sempre tenha havido viagens de voluntariado, a novidade é esta possibilidade de associar «o útil ao agradável». O fenómeno adquiriu de tal modo expressão que a bíblia dos viajantes - o Lonely Planet - lançou em Junho um guia sobre volunturismo. Uma pesquisa rápida na Internet basta para encontrar dezenas de agências a comercializar a experiência. Esta ‘indústria’ essencialmente anglo-saxónica está enraizada nos EUA, em Inglaterra, na Nova Zelândia ou na Austrália, onde existe a tradição do «year off» - ou «gap year» (o ano passado a viajar depois de terminar o curso superior e antes de começar a trabalhar) e onde os hábitos de voluntariado são incentivados desde cedo. No Reino Unido, a «indústria do gap year» atinge um quarto dos jovens entre os 18 e os 25 anos. A consultora Mintel avaliou em 7,4 mil milhões de euros o mercado mundial do «gap year», e prevê que quadruplique até 2010. Apesar de em Portugal ainda não se falar no assunto, há já quem alerte para os aspectos negativos do volunturismo. Um dos argumentos é que este tipo de viagens serve mais quem as faz do que quem beneficia delas; outro é que é muito mais caro do que o simples voluntariado. Mas para quem tem perfil voluntarista, será algo do outro mundo pagar mais para viajar de outra maneira? Mesmo que isso inclua trabalhar? "
Mais informação:

Da nossa experiência, apesar de curta, diria que foi enriquecedora para nós, sem dúvida, mas sobretudo útil e reconfortante para com os miúdos que estivemos. Mas é um conceito polémico, não é?


Enviar um comentário