terça-feira, 24 de outubro de 2006

Um outro ponto de vista

Caros amigos!

Não me agradava a ideia da ausência de palavras durante esta semana e, por isso, desta vez, aventurei-me nestas andanças. Claro que estou a ser paga… sim, porque as minhas belas palavras nunca poderiam ser gratuitas. Brevemente o basto ficará na penúria hahahahahahahah e eu terei imenso money para subir ao Kili(manjaro) e subir e voltar a subir.

Pois é… o nosso amigo Kili! E ele é cá um danado… não deixa qualquer um trepar por ele acima… ohoh Faz-se difícil! E cá entre nós, faz ele muito bem. Não tinha piada se fosse fácil, não acham?! Mas por outro lado… é um risco! É um grande investimento que vamos fazer e não temos quaisquer garantias de que iremos conseguir. E quando falo em “grande investimento” não me refiro apenas ao financeiro, refiro-me também ao treino fisico, à pesquisa sobre o melhor trilho, aos emails trocados com as pontenciais agências de viagens, à conversa com o novo chefe pedinchando os dias de férias aos quais ainda não tenho direito, etc etc… É todo um imaginário que se vai criado à volta da ascensão do imponente, fantásico, magnífico e lindo Kilimanjaro! Deve assemelhar-se à preparação de um casamento (sem querer ferir susceptibilidades). Mas e se não conseguimos? E se um de nós não consegue?

A ascensão não dá muita margem de manobra para a adaptação individual de cada um. O tempo disponível não permite que cada indivíduo tenha tempo de se adaptar à altitude e a todos os outros factores que influenciam o metabolismo do nosso organismo. E o grupo terá que continuar… O treino físico que estamos a fazer vai concerteza ajudar a que consigamos ter mais resistência e a facilitar a nossa ascensão. Mas e a parte psicológica?! Como é q se treina?! Sim… porque teremos que ser fortes… não vai haver esquinas para pensarmos “são só mais 3 esquinas”. O monte será íngreme e a aproximação ao cume será lenta, muito lenta! Como treinamos a psique para resistir a um esforço físico tão grande? Alguém tem respostas? Que parte será mais importante, a física ou a psicológica? Mas para além do Kili há outras coisas… Há um povo fantástico para descobrir, há acções humanitárias para desenvolver, há belíssimos animais para conhecer, há sabores para experimentar, há cheiros para explorar, há sons para lembrar, há fotos para tirar, há …, há… O cume lá estará à nossa espera e isso será, tenho a mais pura certeza, uma das mais fantásticas experiências das nossas vidas. Mas, cá em baixo, o mundo espera-nos, e não será por certo menos emocionante. E vocês, lá em cima ou cá em baixo?

5 comentários:

Anónimo disse...

O cume lá estará à vossa espera...

Gato disse...

De facto a fase dos preparativos, da pesquisa, das dúvidas, das questões, da análise de custos,... e toda a expectativa que se gera à volta da viagem é muito porreira. Ler e reler o lonely planet à procura das melhores alternativas e imaginarmo-nos naqueles lugares é uma das melhores partes das viagens.
Até teria inveja vossa, não fosse o facto de também andar a preparar as minhas patagónias... :))
abraço/bjinhos

Liliana disse...

Quem és tu, gato? Por acaso estás no meu grupo para ir à Patagónia? É que eu também vou, em Março de 2007.

basto disse...

O gato é um grande aventureiro da vida, que já compartilhou comigo a secretário de trabalho nos escritórios de Lisboa e que, depois de ter estado pela primeira vez na Patagónia, está agora a planear uma outra viagem em BTT. Vê aqui: http://napatagonia.blogspot.com/

basto disse...

Eh pá, mas chega de América.
Este blog quer-se todo ele, apenas e só:

- ÁFRICA -