segunda-feira, 25 de maio de 2015

Sei em mim

Pai. Sou pai de três. A expressão máxima do amor, personificada em si, na existência de todos e cada um destes meus três filhos. Hoje, o Tiago com 3 anos e 9 dias. A Rita e o André com 36 semanas e 5 dias cada um, pois são gémeos. Uma matemática pediátrica que pouco traduz da intensidade dos dias, a dois, a três, a cinco. Inicio hoje um último período de licença de parentalidade, em modo exclusivo, sem a mãe. Agora já em período alargado, pouco frequente e usufruído pela maioria dos pais, por cá. É tempo de mudança, é altura de balanço. A nostalgia da frescura da pele de bebé, dos tenros primeiros dias, dos gémeos, já nos ata a garganta. A inocência tranquila dos primeiros anos do Tiago desvanece-se na reta acelerada dos porquês, num enredo fantasioso que nos surpreende. Começo hoje. Pai. Como se um novo ciclo me desafiasse. Com a Rita e o André. O Tiago, por segurança e manutenção de rotinas permanece na creche, no horário laboral. Cinco semanas, com mais ou menos apoio, mas sempre numa tentativa de conquistar a máxima autonomia, neste duelo desafiante de um para dois ávidos de atenção, ávidos de cuidados higiénico-alimentares. Numa rotina frenética sem pausa, dia e noite, vinte e quatro horas por dia. Pai. É bom ser pai. Sei em mim o propósito da vida. Sei em mim a certeza que ser pai é mais do que um cartão de visita. É sentir e dedicar o esforço da vida aos filhos, olhar o mundo sem dó do corpo que nos assiste. Refletir na rotina sonâmbula da vida a resposta à expressão máxima do amor, viver e estar o máximo contigo e contigo. Estes nossos dois preciosos seres que nos preenchem e elevam a fasquia do amor que o Tiago nos trouxe. O frenesim destes dias pode não me deixar. Mas queria tentar novo desafio, em homenagem aos gémeos. Escrever todos os dias algo, em homenagem e como introspeção pró-memória de um tema auto-positivo. Com o Tiago foi o exercício dos gostos. Agora, atrevo-me a olhar os pares. As combinações complementares de dois sentidos, numa tentativa de entender o fascínio que os gémeos têm em Portugal. A ver se consigo. Hoje correu bem, este sono sincronizado da manhã, deixou.

Enviar um comentário