terça-feira, 6 de março de 2007

Voluntariado

Obrigado novamente a todas as pessoas que nos fizeram chegar roupa e brinquedos para as criancas aqui do Que'nia. Este obrigado ja nao e' o nosso, mas o da "Mama", a responsavel da casa de criancas orfas, a quem entregamos pessoalmente todos os bens que trouxemos e com quem passamos os 2 dias do ultimo fim-de-semana.
Tinhamos planeado uma semana para esta nossa vontade de ajudar, simbolicamente uma instituicao local, chamamos-lhe programa de voluntariado, mas claro que nao o e', por tao modesto que se torna. Confesso que na vespera do nosso primeiro dia, antes de irmos para a instituicao estavamos um pouco apreensivos, do genero, metemo-nos em cada uma... Mais uma vez o medo do desconhecido, a ansiedade do que vira ai, fez-nos pensar. Tinhamos o contacto de uma senhora muito simpatica, que mal ca chegamos nos foi buscar os caixotes de roupa ao aeroporto e nos guardou fielmente ate chegarmos, para sermos nos a entregar. Inicialmente e ainda dai de Portugal, esta senhora, Amina, dos mails que tinhamos trocado, tinha ficado +/- acordado irmos para uma casa de criancas em Eastleigh, nos suburbios de Nairobi. Mas mais uma vez por questoes de seguranca, a Amina, procurou e encontrou uma outra instituicao numa zona bem mais calma e com umas vistas fantasticas sobre a cidade.
Assim, no Sabado de manha, 'a hora marcada, la' estava ela 'a porta do nosso hotel para nos levar (porta a porta) 'a "Fauzia Orphans Childrens Home". Pelo caminho conhecemos a Mae destas craincas que estava a nossa espera numa rotunda. O caminho para a casa e' em terra batida, durante cerca de 10min. Muito buracos, lojas/stands a vender tudo aquilo que um europeu nunca compraria. Espantosamente no meio disto ficam ainda duas fabricas de cosmeticos/perfumes bastante conhecidos por ca' e masmorramente fortificadas por altos muros. Chegamos. O portao abre-se. La dentro, um espaco exterior com baloicos rudimentares um campo de terra, para o futebol e um atrio, onde paramos o carro. As primeiras criancas ja nos olham a medo, com aqueles olhos. A mae da casa, faz-nos as honras e comeca a falar-nos da historia da vida dela que e' praticamente a da instituicao. Estao aqui, neste sitio, so ha' 3 anos, a instituicao tem cerca de 15 anos. Antes estavam mesmo em Nairobi e viam-se aflitos porque nunca tinham sossego. Aqui estamos muito bem, diz ela, temos ar fresco! E' verdade. Damos uns passos e vemos o escritorio, onde dormita um computador muito antigo, uma secretaria e umas estantes com provavelmente os poucos documentos que esta gente toda deve ter. Sao 47 criancas no total, raparigas e rapazes. A mais nova, uma menina de (so) 5 meses e os mais velhos, uns rapazes ja' espigadotes dos seus 18/20 anos digo eu.
A mae faz questao de nos mostrar a casa. Meu Deus, que miseria. Entramos pela cozinha, onde antes vemos 2 grandes paneloes onde esta a ser cozinhado, a lenha, o almoco para dai a umas horas. Na cozinha, 'a Liliana e' posto nos bracos uma das criancas mais nova da casa, uma menina muito gira, be'be' ainda que diz a mae, gosta muito de brancos. E parece que assim e'. A miuda esta descontraidissima e contente por ter um colo. Entramos, vemos os quartos, camaratas. De um lado os rapazes, do outro as raparigas. Ha' ainda o quarto da mae, onde dormem tambem os bebes. Regressamos ao exterior. A mae reune os miudos e pede-lhes para nos mostrarem algo. Ainda muito timidos, as miudas, que os rapazes nao se expoem assim, dancam-nos umas poucas musicas. Pedimos para ajudar, mas a mae faz questao de nos tratar como convidados. O maximo que conseguimos e' brincar com os putos. Aqui o que nao falta e' mao de obra. O que eles mesmo precisam e' de carinho, afecto, atencao. Assim fazemos. Os mais novos sao os mais dados. Ao final de poucos minutos ja estao todos contentes a brincar connosco. Ah, vamos ainda 'a cozinha desenpacotar as nossas/vossas ofertas. Mas que felicidade. A mae diz-nos que trouxemos roupas muito bonitas. Os peluches/brinquedos fazem muito sucesso. Os putos recebem-nos com muita complacencia e alguns vao guarda-los cuidadosamente na arca onde devem ter os seus objectos pessoais. Uma menina do Uganda que aqui esta, recebe cada peca que a mae lhe da, com um Asante Sana (muito obrigado) e uma venia de joelhos!!
Chega a hora do almoco. Mas antes disso e' tempo de oracao. Ritual muculmano, com um professor/catequista que os orienta e le o corao, numa mini-mesquita improvisada numa das mini-salas da casa. Ha o chamemento habitual que tb se ouve nas ruas de Nairobi e todos se reunem na mini-mesquita. Nos permanecemos ca fora com os mais pequenos. Hora de almoco. Este e' um momento particularmente dificil para nos. A comida nao falta, arroz e feijao, mas os miudos pequenos que estao connosco, comem com a mae numa roda, numa bandeja no chao, com as maos (e' normal aqui). Nos tentamos disfarcar, mas as condicoes de higiene desta refeicao deixam muito a desejar... Bom saimos novamente para o jardim e a tarde passa calmamente num jardim solarengo 'a sombra. 'As 4 da tarde temos um dos filho mais velho da mae, que ja nao esta ali, que tem carro, que nos faz o servico de taxi e nos leva de regresso ao hotel. No Sabado 'a noite decidimos ir so' mais um dia, ja' que na 2a as criancas vao para a escola e nos nao conseguimos fazer mais q distrai-los no jardim. O Domingo e' bem mais familiar. O sitio claro e as criancas adoram-nos. Podemos nao ter feito muito, mas acredito que conseguimos um fds diferente para estas criancas. No final, ficaram tristissimas por estarmos a partir e curioso foi ver o puto mais reguila, que tinha aspecto de ser o mauzao do sitio, a choramingar por ver os mzungus (brancos) irem embora.
Ha muito mais a dizer, mas aqui nao consigo. Mas sabem o que mais me impressionou no meio disto tudo? E' que olhamos para estas criancas, olhamos para um jardim de infancia em Portugal e quem e' que chora? Foi isso que mais me impressionou, estas criancas, com todos estes problemas (quase) nao choram!!


Fauzia Orphans Childrens Home
Pumwani, Road Maratib Wa Pumwani
P.O. BOX 13151 NAIROBI, Kenya

Enviar um comentário