segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Canela

Gosto, gosto muito de canela. Essa elementar especiaria que perfuma a gastronomia. Esse ar do oriente que invade, de quando em vez, as nossas casas. Esse perfume que adorna a nossa doçaria. A canela fica bem em quase todo o lado. Ainda a semana passada ousei colocar um pau de canela num bifinhos de peru salteados em azeite e alho. Uma subtileza doce que faz mastigar devagar, a tentar adivinhar que surpresa inesperada é aquela. No Oriente, a canela, uma das especiarias fundamentais é praticamente tão essencial como, para nós, o sal. Lá, usa-se e abusa-se da canela. Por cá, este aroma invade-nos e dá corpo a tantas receitas. Mas a canela para mim é ainda sinónimo de Natal, que aí vem. Se fechar os olhos e pensar em canela penso logo numa travessa de leite creme de ovos caseiros, quente, acabadinho de fazer, ornamentado por cima com um "Feliz Natal" escrito à mão com um fio de canela. Ou então a aletria, o arroz doce, ou a chila, vestidas com um ladrilho geométrico, também ele esboçado com canela em pó, que se desenha pacientemente, rolando o pó de canela entre o indicador e o polegar. Mas não é tudo. Um bom café expresso, já de si, aromático e bem intenso, como eu gosto, também ganha com a canela. Seja com um leve suspiro por cima, mesmo antes de mexer, seja com um pau de canela que ele próprio mistura e substitui a colher. Se ao café aliarmos ainda uma nata cremosa com massa estaladiça, ou um pastel de belém até, também eles perfumados com umas notas de canela... Hummm que delícia, que belo início de dia! E a canela está disponível por aí, nos restaurantes e cafés, gratuitamente e à disposição de todos em todos os lados. E como, pelo que sei não se conhecem contra indicações médicas, a canela é mesmo um dos prazeres desta vida. A saborear sempre e a celebrar todos os nossos natais. Por tudo isto gosto... gosto muito de canela.


Enviar um comentário